Os doces mais deliciosos e populares do Brasil

Doce, para nos brasileiros nos remete a infância. Doces como brigadeiro, pé-de-moça e pé-de-moleque têm o verdadeiro sabor da infância. Festas de aniversário e juninas, por exemplo, são acompanhadas de aperitivos deliciosos. Entre estes, doces como goiabinha, quindim e outros. A forma de adocicar nosso paladar diz muito, também sobre a cultura nacional e a região em que surgiu.

Os doces mais conhecidos no Brasil

Brigadeiro

O brigadeiro é um doce que está presente em todas festas de aniversários pelo Brasil a fora. Sua história é curiosa: em 1945, o brigadeiro Eduardo Gomes disputava as eleições para presidente do Brasil. No militarismo, brigadeiro é o primeiro posto de oficial-general. O slogan da campanha do militar era “vote no brigadeiro que é bonito e solteiro”. Em troca de doações para a campanha, as mulheres passaram a produzir uma guloseima com leite moça e achocolatado. Assim nasceu o brigadeiro como conhecemos.

Goiabada

A versão brasileira para a marmelada. O doce, além de delicioso, faz parte da nossa história. A guloseima foi produzida por colonos portugueses. A escolha da goiaba foi por se adaptar ao tipo de doce, como a marmelada. A ideia é que tivesse uma consistência firme. Junto com o queijo minas, forma o Romeu e Julieta, outro doce bem popular no Brasil.

Pé-de-moleque

Outro doce bastante popular em todo o Brasil. Surgiu com a chegada da cana-de-açúcar na Capitania de São Vicente, durante o século XVI. O nome possui duas prováveis origens. A primeira é que faz referência aos pés dos moleques, cheios de calo e sujos de barro, que corriam descalços nas ruas de terra batida. A outra é de que os moleques imploravam doce para as cozinheiras das fazendas e elas respondiam com “pede, moleque!”.

O pé-de-moça é mais jovem. Possui uma textura mais macia, por conta do leite moça. Daí o nome diferente.

Pudim

Outra sobremesa clássica na mesa brasileira. Surgiu nos conventos brasileiros no século XVI. A receita, de origem portuguesa, antes era produzida com leite comum. Após o surgimento do leite condensado, se tornou o pudim que conhecemos. Não é difícil encontrar quem aprecia a guloseima.

Quindim

De acidente culinário à um dos doces mais populares e deliciosos do Brasil. As freiras dos conventos lusitanos usavam clara de ovos para engomar as roupas, o que gerava um excesso de gemas. Daí surgiu o Brisa de Lis, doce bastante popular em Portugal. Com o processo colonizador, a receita foi importada. Porém, para o Brisa de Lis existir, era necessária a amêndoa. Como a importação desta era cara, e não havia em território brasileiro, as escravas tiveram de improvisar. Então adicionaram o coco, bastante popular em nossa terra, e criaram o quindim como conhecemos.

Pamonha

O milho era um alimento importante não só para os Incas e Maias, mas também para os indígenas brasileiros. A pamonha é um prato criado pelos índios de nosso país. É preparado com milho verde ralado. Seu nome em tupi, pa’muña, significa pegajoso.

Doce de abóbora

Fruto típico das américas, a abóbora também se transforma em doce, em mãos brasileiras. A origem da guloseima é incerta. Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Minas Gerais são possíveis locais de surgimento. Independente de onde tenha nascido, o doce de abóbora, além de popular, é delicioso!

Paçoca

A antiga comida dos garimpeiros se tornou em um dos doces mais populares do Brasil. A paçoca (que vem do tupi pa’soka, “esmagar com as mãos”), era preparada com carne. Os tropeiros, que passavam vários dias viajando, precisavam de um alimento de rápido preparo. Com o tempo, a carne foi substituída pelo amendoim e farinha de mandioca. A comida de tropeiros ganhou status de doce e passou a ocupar um lugar especial no coração dos brasileiros.

Rapadura

Um dos símbolos do Nordeste brasileiro. Porém, ao contrário do que se pensa, a rapadura não é brasileira. A guloseima nasceu nas Ilhas Canárias, arquipélago espanhol, por volta do século XVI. Somente no século XVII foi exportada para terras brasileiras. O doce era produzido a partir da raspagem de camadas de açúcar presas nos tachos. Depois era aquecida e posta em formas no formato de tijolos. Quando chegou ao Brasil, passou a servir de alimento para os escravos, por conter muitos nutrientes. Mesmo não sendo nativa brasileira, a rapadura sempre fará parte dos doces preferidos dos brasileiros.

Deixar a vida mais doce necessita de uma boa guloseima. E o cardápio brasileiro está recheado delas. Rapadura, goiabada, pé-de-moleque. Não deixe de experimentar todas.

Compartilhe :
Seja o primeiro a comentar

Deixe seu Comentário

Your email address will not be published.