Curiosidades deliciosas sobre a cocada

Seja branca, marrom ou preta, a verdade é: cocada é muito bom. E provavelmente você já provou a iguaria. Popular em todo o território nacional, não é difícil achar quem seja apaixonado por ela. A iguaria possui várias texturas e combinações. Há quem prefira cremosa ou mais consistente. No fim das contas, a verdade é a mesma: cocada é apaixonante. 

Separamos algumas curiosidades interessantes – e deliciosas – sobre o doce. Embarque com a gente no mundo da cocada.

Origem da cocada

As negras escravas angolanas passaram a produzir doces para os senhores escravistas. Para isto, passaram a utilizar aquilo que era mais abundante na Bahia: o coco. Nas senzalas, a iguaria também era uma das formas de escapar das dores da escravatura.

Versões da receita

As primeiras cocadas usavam açúcar mascavo, por isto tinham uma coloração mais escura. Com o passar do tempo, outros ingredientes foram adicionados. Há, também, quem prefira o doce com consistência mais cremosa, que possa ser comida com talheres. No fim das contas, há opções para todos os tipos de paladares. Hoje existem cocadas com leite de coco, rapadura e gema, por exemplo. Algumas levam frutas em sua receita.

Candomblé

Para os adeptos de religiões de matrizes africanas, a guloseima possui um significado especial. No Candomblé, a versão branca do doce se chama Santo Antônio. Também é usada como parte das oferendas para Oxalá, o principal orixá da religião. Nas oferendas, a cocada representa as crianças.

Mesmo um doce tão pequeno possui uma história tão grande e rica. Mais uma prova que a cocada é mais do que saborosa; é uma fonte de cultura e faz parte da história do Brasil. A Doces Vieira tem, entre seus produtos, a iguaria. Experimente! Ser o rei, ou a rainha, da cocada preta não é tão ruim assim, não é?

Referências:

Wikipedia

Gazeta Digital

Compartilhe :
Seja o primeiro a comentar

Deixe seu Comentário

Your email address will not be published.